2 de julho de 2008

Pedrógão Pistão (em Roma) Apresenta:

O Ciúme

Entre as tartáreas forjas, sempre acesas,
Jaz aos pés do tremendo, estígio nume (1),
O carrancudo, o rábido (2) Ciúme,
Ensanguentadas as corruptas presas.

Traçando o plano de cruéis empresas,
Fervendo em ondas de sulfúreo lume,
Vibra das fauces o letal cardume
De hórridos males, de hórridas tristezas.

Pelas terríveis Fúrias (3) instigado,
Lá sai do Inferno, e para mim se avança
O negro monstro, de áspides (4) toucado.

Olhos em brasa de revés me lança;
Oh dor! Oh raiva! Oh morte!... Ei-lo a meu lado
Ferrando as garras na vipérea (5) trança.

Bocage



--------------------------------
(1) Plutão, deus dos infernos.
(2) Raivoso, furioso
(3) Demónios do mundo infernal.
(4) Serpentes venenosas.
(5) De víbora
--------------------------------


http://amadeo.blog.com/repository/825523/1983925.jpg

4 comentários:

A gerência disse...

Quer dizer...gostámos, mas ficámos assim um pouco para o perdidos...

CONHado disse...

mira conho, no compreendo!!

Poliban, o Terrosista disse...

Olha a sério pá!!! Sedes uma vergonha aos olhos de Alá!
Não há quem te perceba, um dia destes vou provocar atentado na camioneta da carreira para a Idanha, só para te castigar!
Infiél!!!! Vai mas é dobrar guarda-sóis!!

Maryluz Garcia disse...

No compreendo, sinhor, no compreendo!!!
Pero sin, hago limpezas!